Uma mulher viajou até ao Reino Unido na lua-de-mel e acabou retida no aeroporto por suspeitas de ligações terroristas. O motivo? Estava a ler um livro sobre a cultura síria a bordo do avião.

O caso aconteceu no passado da 25 de julho, no aeroporto de Doncaster, quando Faizah Shaheen ia regressar para Marmaris, na Turquia. A mulher, de 27 anos e de origem muçulmana, trabalha como assistente social para ajudar jovens com problemas psicológicos, onde também despista a possibilidade de radicalização, e esteve no Reino Unido em lua-de-mel.

Segundo escreve o Independent, a mulher levantou suspeitas de terrorismo por estar a ler um livro intitulado “Voz da Síria: arte e cultura da fronteira” no voo entre a Turquia e o Reino Unido. Quando chegou ao aeroporto para embarcar de regresso, a polícia do sul de Yorkshire reteve-a para interrogatório.

Faizah Shaheen foi encaminhada para a sala das autoridades, no aeroporto, e interrogada durante 15 minutos, ao abrigo da lei 7 sobre atos terroristas.

O livro, que serviu de base às suspeitas, foi escrito por Malu Halasa, escritora reconhecida internacionalmente, e faz parte de uma coleção de ensaios, contos, poemas, canções, banda-desenhada e fotografias de autores e artistas sírios.

Foi uma experiência muito dolorosa. Gostava de saber se seria diferente com uma pessoa que não seja muçulmana”, disse a jovem ao jornal britânico.

Um porta-voz da Thomson Airways referiu que a hospedeira de bordo agiu dentro do previsto, mas compreende a frustração da passageira.

Compreendemos que a Sra. Shaheen se tenha sentido abusada por parte das autoridades, mas, como todas as companhias aéreas, a nossa equipa está treinada para relatar qualquer ação suspeita que possa usar como medida de precaução”, disse.

A polícia do sul de Yorkshire também esclareceu que a passageira não chegou a ser detida, foi encaminhada para interrogatório e libertada 15 minutos depois.

A mulher sentiu-se ofendida com as acusações levantadas pela hospedeira da Thomson Airways e já informou que irá apresentar queixa formal contra a companhia aérea e a polícia britânica.