Numa entrevista exclusiva à TVI, Madre Agnès Mariam de la Croix denuncia o apoio de países árabes aos mercenários na Síria e reconhece que é uma vóz incómoda:

"Talvez não queiram matar-me mas, pelo menos, fazer-me desaparecer, raptar-me. Quer dizer, fazer-me calar."

Intermediária entre a oposição e o regime de damasco, a religiosa libanesa tem conseguido pôr a salvo milhares de familiares do Exército Livre da Síria.

A Madre Agnès visitou o santuário de Fátima na companhia de uma portuguesa que vive no mesmo mosteiro. Mária Lúcia dos Santos Ferreira, agora Irmã Myri, contou a aflição por que passaram quando o convento foi bombardeado.