O primeiro-ministro do Nepal, Sushil Koirala, decretou hoje três dias de luto nacional em memória das vítimas do forte sismo que afetou no sábado aquele país e que provocou, até ao momento, mais de 5.000 mortos.

“Em memória dos nepaleses, dos irmãos e das irmãs estrangeiras, dos idosos e das crianças que perderam a vida no sismo mortífero, decidimos observar três dias de luto nacional a partir de hoje”, afirmou Sushil Koirala, durante uma intervenção transmitida pela televisão, na qual também agradeceu aos doadores internacionais que prestaram ajuda ao povo nepalês.


Segundo o mais recente balanço do Ministério do Interior nepalês, hoje divulgado, o número oficial de mortos na sequência do sismo situa-se nos 5.057.

Nova avalancha faz mais de 200 desaparecidos

Esta terça-feira, uma nova avalancha atingiu uma aldeia no distrito de Rasuwa fazendo, pelo menos, 250 desaparecidos, adiantou o governante local, Uddhav Bhattarai, citado pela Reuters.  

A área atingida, na localidade de Ghodatabela, a norte da capital de Katamandu, é popular entre os montanhistas que ali realizam vários percursos de caminhada. 
  
Entre os desaparecidos podem estar vários turistas, admitem as autoridades. 

Este sábado, um sismo de magnitude 7.8 foi sentido no Nepal e provocou a morte a mais de quatro mil pessoas. No entanto, o número de vítimas mortais pode ascender às dez mil. O valor foi admitido, esta terça-feira, pelo próprio primeiro-ministro nepalês,  Sushil Koirala. 

Um sobrevivente no Tibete filmou, com o telemóvel, o momento exato em que a terra começou a tremer no dia 25 de abril. Nas imagens que foram divulgadas esta terça-feira, pode ver-se que, depois do impacto inicial do terramoto que teve o epicentro no Nepal, seguiu-se uma sequência de avalanches.