A juíza encarregada de decidir sobre a prisão do ex-Presidente brasileiro 'Lula' da Silva decidiu esta segunda-feira enviar a denúncia e o pedido de prisão do Ministério Público para o juiz federal responsável pela operação anti-corrupção Lava Jato.

Maria Priscilla Ernandes, de São Paulo, enviou o processo para Sérgio Moro, abrindo mão do direito de decisão sobre o pedido do Ministério Público estadual por entender que, "como é público e notório, tramita perante aquela vara os processos da chamada 'Operação Lava-Jato'", que investiga crimes envolvendo empreiteiras acusadas de pagar subornos em contratos da petrolífera Petrobras.

Segundo a imprensa brasileira, a juíza decidiu também retirar o sigilo do processo contra Inácio 'Lula' da Silva.

O processo apresentado pelo Ministério Público do estado pede ainda a prisão preventiva do ex-presidente, avança o G1.

A juíza entendeu que os crimes denunciados são federais e não estaduais e que por isso são objeto de investigação da Justiça Federal.

O antigo governante é suspeito de ser proprietário de um apartamento em Guarajá, no estado de São Paulo, registado em nome da construtora OAS, envolvida no escândalo da Petrobras, e de uma propriedade rural no mesmo estado, onde foram feitas obras por empresas também ligadas ao caso da petrolífera estatal.