O surto de febre-amarela em Angola é grave e deve ser vigiado, mas não representa uma emergência sanitária de alcance internacional, decidiu a Organização Mundial de Saúde, nesta quinta-feira.

A decisão foi tomada durante uma reunião de peritos na doença, convocados de emergência para analisar o surto da doença na capital angolana, Luanda.

Nos últimos quatro meses foram detetados 2.400 casos de febre-amarela em Luanda, que já provocaram 300 mortos.