"Apesar do esforço que vem empreendendo com a fanfarra mediática já pelo povo angolano bem conhecida que não interfere nos assuntos que competem ao poder judicial, nós já não nos deixamos embalar pelas cantigas infantis do seu regime", lê-se na carta, manuscrita, hoje divulgada em Luanda e assinada pelos ativistas, sob detenção desde junho.




prolongou na sexta-feira o julgamento

Luaty Beirãosolidariedade

acusado desde 16 de setembro

ativista começou a greve de fome