Três britânicos foram condenados, esta quinta-feira, por participarem no maior roubo de jóias da história do Reino Unido e devem ser sentenciados no dia 7 de março, avança o jornal "Independent".

Carl Wood, William Lincoln e Hugh Doyle fazem parte do grupo que roubou cerca de 19 milhões de euros em jóias de um depósito em Londres em abril de 2015.

É a segunda ronda de condenações em relação ao assalto, depois de outros quatro homens, apontados pela polícia britânica como líderes do plano, se terem declarado culpados em setembro passado. Em tribunal, Daniel Jones, de 60 anos, Terry Perkins, de 67, John "Kenny" Collins, de 75, e Brian Reader, de 76, assumiram o planeamento do roubo.

Também a filha de Terry Perkins pode vir a ser detida. A mulher de 35 anos confessou ter ajudado a esconder as jóias roubadas, assim como o seu cunhado, Brenn Walters, 43 anos, que também admitiu o mesmo crime.

No dia de Páscoa do ano passado, a quadrilha conseguiu abrir um buraco de 50 centímetros de profundidade na parede de um depósito de jóias no centro de Londres. Em seguida, os assaltantes arrombaram 73 cofres e fugiram com dinheiro, diamantes, safiras e outras jóias.

Menos de cinco milhões de euros foram recuperados pelas autoridades até agora. A polícia acredita que os envolvidos ainda têm o restante do valor roubado.