O Paquistão libertou o alegado «cérebro» dos atentados de Bombaim, que causaram 166 mortos em 2008, informaram hoje fontes prisionais e políticas, uma decisão suscetível de aumentar a tensão com a vizinha Índia.

Zakiur Rehman Lakhvi, considerado o «cérebro» do ataque sangrento contra vários locais de Bombaim, entre os quais um hotel de luxo, foi libertado sob caução e encontra-se num local secreto por razões de segurança, precisaram as fontes.

A libertação do presumível «cérebro» dos atentados de Bombaim representa um «insulto» para as vítimas, reagiu um porta-voz do Ministério do Interior indiano.