O Presidente dos Estados Unidos defendeu hoje a imposição de novas sanções internacionais como retaliação ao mais recente teste nuclear norte-coreano, considerando-o como uma "grave ameaça à segurança regional e à paz e estabilidade internacionais".

Numa declaração, Barack Obama disse ter "consultado" por telefone o homólogo sul-coreano, Geun-Hye, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, sobre o o quinto e mais poderoso teste nuclear efetuado pela Coreia do Norte.

"Concordamos em trabalhar com o Conselho de Segurança das Nações Unidas, com os outros seis parceiros e com a comunidade internacional para pôr em prática as medidas disponíveis e impostas nas resoluções prévias e para adicionar passos mais significativos, o que inclui novas sanções", avisou Obama.

Recorde-se que a Coreia do Norte confirmou ter levado a cabo o quinto ensaio nuclear “com sucesso”, informou a televisão oficial norte-coreana, no dia em que o país celebra o 68.º aniversário da sua fundação.

O ensaio nuclear levou ainda ao registo de um tremor de terra, de magnitude 5,3 na escala de Richter segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos. Este foi detetado às 01:30 (hora de Portugal) de hoje, muito perto da base de ensaios nucleares de Punggye-ri, cenário de quatro testes nucleares anteriores ocorridos em 2006, 2009, 2013 e em janeiro deste ano.