Os ucranianos radicados em Portugal marcaram para segunda-feira à tarde uma manifestação em Lisboa, em solidariedade para com os seus compatriotas que sofreram cargas policiais no sábado, em Kiev, quando se manifestavam contra o governo e o presidente.

«Aqui em Portugal decidimos pedir à Câmara Municipal de Lisboa autorização para uma manifestação junto à embaixada da Ucrânia para manifestar a nossa solidariedade para com os nosso compatriotas que sofreram cargas policiais e foram detidos porque pediam, pacificamente, a demissão do presidente e do primeiro-ministro da Ucrânia», disse à agência Lusa o presidente da Associação dos Ucranianos em Portugal, Pavlo Sadokha.

Pavlo Sadoka disse que irá propor no protesto a aprovação de uma carta para entregar à presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, a pedir que não seja permitida a entrada em Portugal «dos culpados pelos acontecimentos de sábado e sexta-feira na Ucrânia».

Na sexta-feira, milhares de ucranianos manifestaram-se em Kiev e noutras cidades da Ucrânia, formando cordões humanos para simbolizar a ligação do país à Europa.

Muitos deles mantiveram-se durante a noite na praça da Independência, no centro de Kiev, onde sofreram uma carga policial ao inicio da amanhã de sábado, de que resultaram dezenas de feridos e de detenções.

Os manifestantes têm vindo a reivindicar a demissão do Presidente ucraniano Viktor Yanukovych por este não ter assinado um acordo de associação com a União Europeia (UE), entendido como um primeiro passo para uma futura adesão.

Pavlo Sadoka disse à Lusa que tem estado a acompanhar as noticias dos protestos no seu país, que apontam para mais de 500 mil manifestantes nas ruas.

«Todos pedem a demissão do governo e do presidente porque os culpam pelos acontecimentos de ontem em Kiev, onde a polícia bateu nos estudantes que se manifestavam pacificamente», afirmou.

Ao longo dia de hoje as manifestações continuaram na Ucrânia, registando-se confrontos com a polícia.

De acordo com fonte policial, uma centena de polícias ucranianos ficaram hoje feridos devido a confrontos com manifestantes pró União Europeia que usaram uma retroescavadora para ultrapassar um bloqueio policial que os impedia de entrar numa praça no centro de Kiev.

A mesma fonte disse que manifestantes ocuparam instalações da câmara municipal de Kiev, apesar dos apelos das autoridades para que abandonassem o edifício.