A Human Rights Watch (HRW) apelou à junta militar da Tailândia para pôr fim à sua campanha de detenções «secretas» e «arbitrárias» de ativistas que se opõem ao golpe de Estado e de partidários do governo deposto.

A organização pediu ainda ao exército para revelar o local onde se encontra retida Kritsuda Khunasen, uma ativista dos «camisas vermelhas», apoiantes do governo deposto que se opõem ao golpe, reclamando que seja colocada em liberdade, uma vez que não lhe são imputadas acusações.

«As detenções da junta agravam-se com a retenção de pessoas em segredo. Kritsuda e outros detidos sem acusações credíveis devem ser libertados imediatamente», disse o diretor da HRW para a Ásia, Brad Adams, num comunicado emitido esta noite.