O veredicto pronunciado contra Bradley Manning, o soldado norte-americano que transmitiu milhares de documentos secretos ao sítio WikiLeaks, ilustra um «perigoso extremismo (...) da administração Obama», considerou a página de Juilan Assange no Twitter, escreve a Lusa.

«Manning arrisca 136 anos de prisão por atas de acusação de que foi hoje reconhecido culpado. Perigoso extremismo, em matéria de segurança nacional, da administração Obama», considera o WikiLeaks na sua conta Twitter.

De acordo com a decisão hoje anunciada por uma juíza militar em Fort Mead, que dirigiu o processo, Manning foi considerado culpado pela justiça militar de violar a Lei de Espionagem, mas não de «conluio com o inimigo».

Entretanto, foi divulgada no site do WikiLeaks

a declaração completa de Julian Assange sobre este caso. O presidente Barack Obama é um dos alvos principais das palavras do fundador do site que revelou segredos norte-americanos.

Para Julian Assange, Bradley Manning é «um herói» e não teve um «julgamento justo». Por isso, diz que não irá descansar até que este seja «libertado».

Ouça o que Assange disse sobre Manning em entrevista à CNN.