O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, criou esta quinta-feira formalmente um partido político para entrar na corrida ao Senado australiano nas eleições de 2014.

Assange disse que o Partido WikiLeaks vai participar na corrida eleitoral com sete candidatos para entrar na câmara alta nos Estados australianos de Nova Gales do Sul, Victoria e Austrália Ocidental, apontando que uma vitória dos seus candidatos será semelhante a colocar os «melhores jornalistas de investigação» no Senado.

Apesar de estar refugiado na embaixada do Equador em Londres há mais de um ano, procurando evitar a sua extradição para a Suécia, onde as autoridades o querem interrogar sobre alegados crimes sexuais, Assange, de 42 anos, vai candidatar-se no Estado de Victoria, alegando que pretende ser um «escrutinador da atividade governamental independente».