Joaquín ‘El Chapo’ Guzmán está detido na prisão de Altiplano, a cerca de uma hora da cidade do México. A mesma prisão de alta segurança de onde fugiu em julho do ano passado. As autoridades não escondem que temem nova fuga do ‘patrão’ do narcotráfico e, por isso, tomaram medidas drásticas de reforço de segurança, numa das prisões já conhecidas por ser das mais seguras do mundo.
 
‘El Chapo’ está numa cela de isolamento total, que tem guardas à porta 24 sobre 24 horas, avança a Sky News. Do lado de fora das paredes do edifício, há tanques de guerra e veículos blindados a guardar a cadeia. As estradas circundantes têm postos de controlo da polícia a funcionarem 24 horas por dia.
 
Os órgãos de informação mexicanos adiantam que as celas da prisão de Altiplano foram reforçadas com sensores de movimento e também com mais câmaras de videovigilância. O chão da cela onde está detido Guzmán foi reforçado com barras de ferro, para impedir que seja feito um novo túnel semelhante ao utilizado na fuga espetacular de julho.
 
Apesar de todo este reforço de segurança, as autoridades não estão descansadas. Fontes do Ministério do Interior mexicano, citadas pela Sky News, adiantam que se teme que um detido como ‘El Chapo’ possa subornar todos os guardas prisionais.
 

Volta à América em crimes

 
Entretanto, ainda é uma incógnita o destino de Juaquín Guzmán. As autoridades dos Estados Unidos já anunciaram um pedido de extradição, para que possa ser julgado por crimes cometidos do outro lado da fronteira.
 
De acordo com o New York Post (NYP), ‘El Chapo’ enfrenta acusações de crimes relacionados com o tráfico de droga e lavagem de dinheiro em sete jurisdições diferentes, só nos Estados Unidos, desde a Califórnia até à Nova Inglaterra.
 
No total, o narcotraficante é suspeito de introduzir nos Estados Unidos mais de 500 toneladas de cocaína. As autoridades federais norte-americanas suspeitam que terá traficado mais de 14 mil milhões de dólares de cocaína, heroína e anfetaminas nos EUA, entre 1989 e 2014.
 
 
‘El Chapo’ é ainda suspeito de envolvimento ou mesmo de comandar outros crimes, como homicídios, roubos e sequestros. De acordo com o NYP, as acusações judiciais falam em pelo menos 12 crimes de homicídio.
 
Além de homicídios no México, Guzmán terá comandado assassinatos em Manhattan, Chicago, Miami, San Diego e Texas, só para enumerar alguns.