O resultado foi mais ou menos antecipado, mas o tamanho da distância não. Todas as sondagens concluíram que o partido do Alexis Tsipras chegaria ao primeiro lugar, e o partido da direita Nova Democracia ao segundo, 3-4% pontos atrás.
 
Mas a vantagem é claríssima. E agora, o que vai acontecer? O Syriza prometeu a erradicação da austeridade implementada por Angela Merkel. Que o salário mínimo suba dos 460 euros atuais para 750. Que a troika nunca mais visite Atenas.

Os salários devem voltar ao nível do 2008, segundo o Syriza. Mas, pode Alexis Tsipras converter em realidade este sonho de todos os gregos, frente à oposição forte de Angela Merkel?

O próximo passo do povo grego tem muita esperança, mas também muita incerteza. Alguém pode dizer que se trata de uma viagem no desconhecido.

O destino que o Alexis Tsipras prometeu parece que vai conduzir o país fora do crise financeira. Atualmente, é algo que todos os gregos querem.

A grande questão neste momento é se o partido que logrou este triunfo fenomenal para um país como a Grécia pode governar sem ter de colaborar com outros partidos eleitos no novo quadro do parlamento grego.

É um fator muito importante que vai determinar os próximos passos do novo governo.

O facto lamentável destas eleições é que o partido Aurora Dourada, com membros «nazis», estará também presente no parlamento grego.

A primeira obrigação do novo parlamento e eleger o líder do partido mais votado. Se o Syriza for autónomo (não precisa de um governo colaborativo) parece fácil. Se não, é possível que proponha um partido que se encontre ao centro, entre a esquerda e a direita.

O próximo dia dos gregos será diferente. O destino desconhecido...