O jornal norte-americano The New York Times venceu três prémios Pulitzer, dois dos quais pela cobertura sobre a propagação do vírus Ébola em África.

O jornal conquistou o Pulitzer de «melhor cobertura internacional» com o noticiário sobre o vírus Ébola e o de «melhor reportagem fotográfica» para o repórter Daniel Berehulak, com o trabalho « Braving Ebola», precisamente sobre o mesmo assunto.

O de «melhor reportagem de investigação» foi para o jornalista Eric Lipton, daquele jornal, sobre a influência de grupos de pressão ('lobbies') junto de decisores políticos e judiciais.

O Pulitzer de melhor reportagem de investigação foi também atribuído  ao jornal The Wall Street Journal, pelo trabalho Medicare Unmasked que revelou práticas e condutas das seguradoras de saúde norte-americanas.

Já o Pulitzer de serviço público foi atribuído ao jornal The Post and Courier, de Charleston, na Carolina do Sul, pela sua série dedicada à violência doméstica, chamada Till Death Do Us Part.

A equipa de fotojornalistas do jornal St Louis Dispatch recebeu o Pulitzer dedicado a notícias de última hora, pela cobertura dos eventos que se seguiram à morte de um homem afro-americano, por disparos de um polícia, em Ferguson, no verão passado.