Desde 2001, foram raptados 81 jornalistas oriundos de países ocidentais, segundo os dados oficiais divulgados pelo barómetro da ONG Repórteres Sem Fronteiras. 

A   TVI24    analisou os dados, disponibilizados pelo Comité de Proteção de Jornalistas (CPJ) e pela  Organização Sem Fins Lucrativos (ONG)   Repórteres Sem Fronteiras, sobre os raptos e assassinatos de jornalistas desde 2001 até novembro deste ano.    

Os dados divulgados esta terça-feira indicam que « pelo menos, 60 jornalistas mortos este ano por razões relacionadas com o exercício da sua profissão»,  «cerca de um quarto dos jornalistas mortos neste ano eram membros da imprensa internacional», alerta o relatório, mas nem todos são ocidentais.
 
«Cerca de nove em cada dez jornalistas mortos são pessoas locais cobrindo histórias locais», acrescenta o relatório do CPJ.

Estes números tornam-se mais dramáticos se acrescentarmos a perseguição à liberdade de imprensa e ao exercício das funções dos jornalistas em países da América Latina, do Leste Europeu e da Ásia. 

No total, foram mortos pelo menos 60 profissionais da comunicação social entre jornalistas,  freelancers, repórteres imagem e fotojornalistas por todo o mundo. Para além destes, o CPJ está a investigar mais 18 casos de morte de jornalistas em 2014 para determinar se estavam relacionadas com o trabalho. A estes número somam-se os 367 jornalistas detidos pelas autoridades ou forças militares. 

No ano passado foram registados 138 óbitos. 

Os profissionais norte-americanos são o alvo preferencial dos sequestradores e a Síria e o Iraque são os países onde o nível de perigo de rapto é maior.


Morte por decapitação é comum
A morte de jornalistas no Médio Oriente ficou mais mediatizado depois da  fotógrafa alemã Anja Niedringhaus  ter sido abatida a tiro por forças policiais afegãs, em abril, durante a cobertura das eleições.   Em agosto e setembro,    as decapitações dos dois jornalistas norte-americanos,    James Foley    e    Steven Sotloff    chocaram o mundo com a divulgação dos vídeos pelo Estado Islâmico. Os EUA voltaram às primeiras    linhas dos media com o fracasso da operação de resgata de    Luke Somers e Pierre Kokier   , ambos acabaram    mortos por membros da Al-Qaeda  

Apesar da brutalidade destes casos, a maior parte dos raptos no Médio Oriente têm um final feliz. Famílias, amigos e agentes diplomáticos e/ou políticos acabam por pagar os resgates e, em algumas situações, os sequestrados conseguem evadir-se do cativeiro. 
 
Jornalista norte-americano sequestrado há 2 anos libertado na Síria

Na imagem abaixo mostramos-lhe as nacionalidades dos jornalistas raptados desde 2001 e o contexto em que os sequestros, resgates e assassinatos aconteceram.
 
Use o zoom através do «scroll» do rato para navegar no mapa interativo.