Mais de vinte presumíveis membros do Estado Islâmico (EI), incluindo o chefe de operações na Turquia, foram detidos em Ancara pela polícia turca por suspeita de estarem a preparar um atentado em Istambul, foi anunciado este sábado.

O jornal turco Haber-Türk noticia que entre os detidos está Ali al-Aggal, um sírio conhecido pelo nome de código de Azzoz e por ser o organizador de ataques que ocorreram na Turquia e atribuídos ao EI.

Outras 24 pessoas, de origem síria ou iraquiana, foram detidas numa outra operação no distrito de Kucukcekmece, em Istambul, precisa ainda o Haber-Türk.

Nove dos detidos são suspeitos de ter tido laços diretos a al-Aggal, quem lhes deveria enviar explosivos e munições para cometerem um atentado em Istambul, e os outros 15 de quererem atravessar a fronteira turca para se juntarem nas zonas de combate, segundo o jornal.

A polícia turca, que pensa ter desativado uma "célula adormecida" em Kucukcekmece, confiscou numerosos documentos e material informático que suspeita pertencerem à organização `jihadista`, adianta o jornal.

A Turquia tem sido alvo de numerosos ataques do EI desde há um ano, tendo o último ocorrido durante um casamento em agosto na cidade de Gaziantep (sudeste), não longe da fronteira com a Síria, e do qual resultaram 55 mortos.

Estas detenções foram anunciadas um dia depois da detenção de quatro pessoas no âmbito de uma investigação sobre ameaças contra várias embaixadas, incluindo a representação britânica que permaneceu fechada na sexta-feira por questão de segurança.

Depois de ter sido suspeita de estar associada ao EI, a Turquia efetuou nos últimos meses várias operações policiais contra "células adormecidas" do EI, e a 24 de agosto lançou uma operação militar para apanhar "jihadistas" no lado turco da fronteira com a Síria.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou recentemente que a Turquia e os Estados Unidos tinham começado a debater uma operação comum para erradicar o EI de Raqa na Síria, que é considerada a capital da organização "jihadista".