«Um exército comum da UE mostraria ao mundo que nunca mais haverá uma guerra entre países [da União]. Um exército assim também nos ajudaria a formar políticas de segurança comuns e permitiria que a Europa aceitasse responsabilidades para com o mundo», disse.


«Com o seu próprio exército, a Europa poderia reagir com mais credibilidade a ameaças contra a paz de um Estado membro, ou Estado vizinho. Não teríamos um exército para o enviar imediatamente, mas enviaria uma mensagem clara à Rússia que levamos a sério a defesa dos valores Europeus».