O ministro dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo, Jean Asselborn, defendeu esta terça-feira que a Hungria deveria ser suspensa da União Europeia por violar os seus valores fundamentais e tratar os refugiados "pior do que animais selvagens". Palavras duras de Asselborn, proferidas numa entrevista ao diário alemão Die Welt

"A Hungria não está muito longe de começar a ordenar abrir fogo sobre os refugiados", sugeriu o ministro ao Die Welt.

As críticas de Assleborn ao governo do primeiro-ministro de direita Viktor Orban passaram não só pelo tratamento para com os refugiados, mas também pela alegada falta de independência da justiça e pelas alegadas ameaças à liberdade de expressão.

"Não podemos aceitar que os valores fundamentais da União Europeia estejam a ser massivamente violados."

As declarações surgem nas vésperas da cimeira de Bratislava, onde os líderes do bloco europeu discutem, a partir de sexta-feira, o futuro pós-Brexit da UE.

O primeiro-ministro húngaro sempre foi um forte crítico das políticas europeias para fazer face à crise de refugiados. O país vai de resto realizar um referendo a 2 de outubro, através do qual os cidadãos vão poder expressar a sua opinião em relação ao sistema de quotas da UE. 

A Hungria passou a fazer parte da UE em 2004. Apesar de a UE poder rejeitar ou atrasar a adesão dos estados, não tem o poder de expulsar um país-membro.