O Estado Islâmico divulgou, este domingo, um vídeo onde mostra 21 reféns enjaulados. As imagens detetadas pelo centro americano de vigilância de sites islamitas (SITE) terão sido já captadas há uma semana e fazem lembrar o massacre do piloto jordano que foi queimado vivo.
 
O vídeo divulgado este domingo não mostra quaisquer execuções. Os 21 reféns apresentam-se como 16 peshmergas, dois oficiais do exército iraquiano e três policiais de Kirkuk, cidade iraquiana, que fica 240 quilómetros a norte de Bagdad.
 
O local e a data das imagens não foram divulgados, mas fontes curdas citadas pela AFP asseguram que foram captadas há uma semana, no principal mercado do distrito de Hawija, sob controle do EI, que fica a 50 quilómetros de Kirkuk.
 
O vídeo mostra os 21 homens vestidos com o já habitual fato cor-de-laranja que são levados para jaulas situadas numa praça cercada por muros de cimento, diante de combatentes encapuzados do EI armados com pistolas. Um homem de barba e turbante branco envia uma mensagem aos peshmergas e entrevista os reféns.
 
Depois, os reféns enjaulados são transportados em carrinhas, pelo meio da rua e sob o olhar de dezenas de habitantes.
 
O vídeo não contém ameaças explícitas contra os reféns, mas, no final, são mostrados de joelhos, com um homem encapuzado e armado atrás deles.
 
De acordo com um comandante dos peshmergas em Kirkuk, o general Hiyowa Rach, os peshmergas reféns foram capturados em 31 de janeiro, «quando os combatentes curdos evitaram um ataque terrorista do EI contra Kirkuk».