O ex-sargento norte-americano Charles Robert Jenkins, que desertou para a Coreia do Norte em 1965, morreu aos 77 anos, disse esta terça-feira um funcionário do município da ilha japonesa de Sado, onde o antigo militar residia.

Jenkins morreu na noite de segunda-feira num hospital de Sado devido a uma arritmia, segundo o porta-voz do município.

Em janeiro de 1965, Charles Jenkins, natural do estado norte-americano da Carolina do Norte, fugiu através da zona desmilitarizada que separa as duas Coreias, para o Norte enquanto estava destacado no Sul, para evitar um eventual recrutamento para o Vietname.

O ex-sargento disse que tinha planeado ir para a Rússia e entregar-se, e não esperava ser retido pelo regime de Pyongyang.

Durante os quase 40 anos em que viveu na Coreia do Norte, Jenkins participou como ator em filmes de propaganda contra os Estados Unidos e trabalhou como professor de inglês em instituições norte-coreanas.

Numa dessas aulas conheceu Hitomi Soga (de 58 anos), uma japonesa sequestrada por agentes da Coreia do Norte nos anos 60. Os japoneses eram sequestrados e usados para treinar agentes secretos norte-coreanos na língua e costumes nipónicos. Os dois casaram-se em 1980 e tiveram duas filhas.

Soga foi libertada em 2002, pouco depois da visita a Pyongyang do então primeiro-ministro japonês Junichiro Koizumi, e regressou ao Japão. Só na segunda visita de Koizumi ao país, as filhas do casal, nascidas na Coreia do Norte, foram autorizadas a juntarem-se aos pais.

Em julho de 2004, Jenkins chegou ao Japão, onde foi julgado por deserção por um tribunal militar dos Estados Unidos.

A idade, condições de saúde e o tempo decorrido desde a deserção pesaram na pena, que foi de 30 dias de confinamento.

“Nos primeiros 15 anos na Coreia do Norte vivi como um cão”, sofrendo às mãos dos militares norte-coreanos, explicou durante o processo. Jenkins cumpriu a pena imposta pelo Pentágono na prisão militar de Yokosuka, perto de Tóquio.

A família residia na ilha de Sado (prefeitura de Niigata, centro), desde dezembro de 2004.