Os 'Carabinieri' (polícia militarizada italiana) detiveram esta quarta-feira 56 pessoas ligadas ao designado «Grupo de Nápoles» supostamente responsável por «quase todo o dinheiro falsificado a nível mundial», segundo um comunicado.

A operação, iniciada em 2012, terminou com a detenção dos alegados falsificadores em Nápoles, Palermo, Caserta, Avellino (no sul de Itália) e Génova e Turim (norte), que «desenvolviam a sua atividade principalmente na Europa», refere o comunicado dos Carabinieri.

Aos detidos, acusados de associação ilícita e falsificação de dinheiro, é atribuída a responsabilidade de «90 por cento do dinheiro falso que circula no mundo», disse o procurador de Nápoles, Giovanni Colangelo, a meios de comunicação social locais.

Segundo os Carabinieri, os países mais afetados pela atividade do grupo são a Espanha, França, Alemanha, Roménia, Bulgária, Albânia, Senegal, Marrocos, Tunísia e Argélia.

«Trata-se de um duro golpe contra esta organização, através do qual se contribui para reforçar a segurança do mercado monetário internacional», indica o comunicado.