O ex-presidente de Israel e Nobel da Paz Shimon Peres morreu esta quarta-feira, 28 de setembro, aos 93 anos. Foi um dos últimos políticos israelitas da geração fundadora do estado israelita, Peres tinha 93 anos. A sua morte foi anunciada pelo próprio filho, Chemi Peres, no hospital onde morreu devido a complicações após sofrer um AVC (acidente vascular cerebral).

O filho do ex-Presidente israelita afirmou que o seu pai “amou o povo de Israel até ao seu último suspiro”.

Não teve outro interesse que não o de servir o povo de Israel, tanto que acreditava e amou-o até ao último suspiro”, disse Jemi Peres, ao ler um comunicado no hospital Shiva, da localidade de Tel Hashomer, perto de Telavive.

Em hebreu e em inglês, leu uma declaração em que realçou que o seu pai “fez parte da geração dos fundadores de Israel e serviu o Estado desde o dia da sua fundação até ao seu último dia” de vida.

Veja também: Líderes reagem à morte de Shimon Peres

Ao lado de Yasser Arafat e do compatriota Yitzhak Rabin, recebeu o Nobel da Paz em 1994 pelos esforços de entendimento entre israelitas e palestinianos, nomeadamente o acordo de paz de Oslo em 1993.

Chegou a dizer que os palestinianos eram os vizinhos mais próximos de Israel e que podiam ser os amigos mais chegados.

De origem polaca, Peres tinha 11 anos quando imigrou para a palestina com os pais em 1934, quase quinze anos antes da criação do estado hebraico de que foi co-fundador.

Chegou ao mais alto posto em Israel como Presidente, cumpriu dois mandatos como primeiro-ministro e esteve ainda à frente de vários ministérios, nomeadamente o da defesa e o dos negócios estrangeiros.

O estadista faleceu por volta das 03:00 (01:00 em Lisboa), segundo o seu médico e genro Rafi Walden.

O funeral será na sexta-feira na secção reservada aos “grandes da Nação” do cemitério do Monte Herzl, em Jerusalém, numa cerimónia de Estado, informou a rádio pública.

A comissão governamental de Símbolos e Protocolos de Estado, que vai decidir a organização da cerimónia em função, em grande medida, da confirmação da presença de líderes internacionais, tem previsto reunir-se esta manhã, de acordo com a emissora.

Esta comissão realizou diversas reuniões nas últimas duas semanas, desde que o antigo Presidente israelita e Nobel da Paz foi hospitalizado.