Prostitutas suecas querem pagar impostos

Para poderem beneficiar do generoso sistema de previdência social sueco. E vão pagar recibos aos clientes

Por: Redação / - LM    |   17 de Setembro de 2008 às 21:24
Na Suécia há cada vez mais prostitutas a apresentarem declaração de IRS. Num país onde a carga tributária está entre as mais altas do mundo, as prostitutas querem pagar impostos para poderem também beneficiar do generoso sistema de previdência social sueco.

Segundo o jornal sueco Göteborgs-Posten, esta subida tem sido registada nos últimos três anos. «Este ano, já conversei com diversas mulheres que me pediram conselhos sobre como preencher a declaração de impostos», disse ao jornal Pia Blank Thörnroos, consultora da sede do Skatteverket (sistema fiscal) na capital sueca.

Esta consultora tem explicado às prostitutes que querem regularizar a sua situação fiscal que devem manter a contabilidade em dia e, inclusivamente, passar recibos, ainda que os nomes dos clientes não tenham de constar nos documentos.

Os rendimentos declarados são taxados como atividades comerciais e dão direito a subsídio de maternidade, baixas remuneradas por motivo de doença e reforma.

Desde 1982, a prostituição é considerada uma atividade comercial na Suécia, e, portanto, sujeita a taxação pelo fisco. Na Suécia é perfeitamente legal vender sexo, mas não pagar por sexo, o que significa que os homens que pagam por sexo com uma prostituta, proxenetas e donos de bordéis estão sujeitos a multas ou a penas de até seis meses de prisão, além da humilhação decorrente da exposição pública. Por outro lado, a lei não prevê nenhuma penalização para as prostitutas.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Prostituição
Prostituição

COMENTÁRIOS

PUB
«Não foi a PT que fez cair o BES, foi o BES que fez cair a PT»

Henrique Granadeiro aponta o dedo a Morais Pires e Joaquim Goes, por terem conhecimento dos problemas do GES e não terem alertado a Portugal Telecom. O ex-presidente da PT garante que só em maio detetou um «primeiro indício» desses problemas, mas admite que já antes existiam «rumores», que iam sendo desvalorizados devido às declarações da ministra das Finanças, do governador do Banco de Portugal e do Presidente da República