Um porta-voz do Pentágono garantiu esta segunda-feira que a cidade iraquiana de Ramadi será reocupada pelas forças iraquianas, com o apoio da aliança liderada pelos Estados Unidos, admitindo que a invasão da localidade pelo autoproclamado Estado Islâmico constituiu um “retrocesso."

“Nós dissemos sempre que haveria avanços e recuos. (…) Haverá vitórias e retrocessos. É um retrocesso”, disse o porta-voz do Pentágono. O coronel Steven Warren acrescentou que as forças da coligação irão recuperar Ramadi, noticia a AFP.

“Nós iremos reocupar a cidade da mesma maneira que estamos em vias de reocupar outras partes do Iraque, com o apoio das forças iraquianas no terreno e dos ataques aéreos da coligação”, afirmou o porta-voz.

O Exército iraquiano e as milícias xiitas estão a preparar um contra-ataque depois da cidade de Ramadi, na província sunita de Al-Anbar, ter sido ocupada pelas forças jihadistas, um reverso importante para o governo iraquiano, apoiado pela coligação liderada pelos Estados Unidos.

Veículos das milícias xiitas dirigem-se para a cidade, que acabou por ficar nas mãos dos jihadistas depois de dois meses de combates.

Estas milícias deverão apoiar as forças governamentais, que desertaram das posições no domingo, incluindo do quartel-general militar da província de Al-Anbar, a maior do país.

O porta-voz do Pentágono apontou que as milícias xiitas terão um papel a desempenhar na reconquista da cidade contra os terroristas do Estado Islâmico, já que estas milícias são controladas pelo governo iraquiano.