Pelo menos 23 jihadistas do Estado Islâmico (EI) e sete polícias morreram nas últimas horas em dois ataques dos radicais e em confrontos no norte e no oeste de Bagdade, no Iraque, informaram hoje fontes dos serviços de segurança.

Um porta-voz do comando de operações de segurança da província de Al Anbar, no oeste do Iraque, disse hoje à EFE que as tropas iraquianas, com o apoio das tribos locais, fizeram um ataque aos extremistas no centro de Ramadi, a capital da região iraquiana.

A zona do ataque concentra as sedes de governação, o conselho local e o quartel do comando de operações.

A ofensiva do EI, que começou à meia-noite e que se prolongou até esta manhã, gerou combates acesos nos quais morreram 23 jihadistas, tendo outros três sido capturados.

Os atacantes atuaram a partir de quatro pontos e usaram todo o tipo de armas, segundo o porta-voz, que não esclareceu se houve vítimas do lado das forças governamentais.

No entanto, uma fonte de segurança da cidade de Samarra, no norte de Bagdad, disse que morreram sete polícias e que outros 11 ficaram feridos num ataque dos jihadistas na zona de Al Motasem.

A ofensiva começou com um ataque suicida feito com recurso a um carro-bomba num posto de controlo de acesso à localidade, cuja esquadra da polícia e edifícios governamentais foram temporariamente controlados pelos extremistas.

Com a ajuda de reforços, as forças de segurança conseguiram recuperar totalmente a localidade de Al Motasem.

A 10 de junho, o EI ocupou a cidade de Mosul, a segunda mais importante no Iraque, e ocupou rapidamente grandes áreas noutras províncias no norte do Iraque, o que obrigou centenas de milhares de pessoas a abandonar as suas casas.