A erupção de um vulcão na ilha indonésia de Sumatra matou, este sábado, pelo 14 pessoas, depois de terem sido atingidas pela cinza escaldante expelida pelo vulcão. As autoridades temem que o número de vítimas possa vir a aumentar, na sequência do alto teor de gases mortais e do calor da nuvem vulcânica que levaram ao cancelamento das buscas.

«Acreditamos que há mais vítimas, mas não podemos recuperá-las porque se encontram na trajetória das cinzas», afirmou à AFP o porta-voz da Agência Nacional de Proteção Civil, Sutopo Purwo Nugroho.

Oito pessoas foram encontradas mortas na aldeia de Sukameriah, próxima do vulcão, na ilha de Samatra, na Indonésia. Quatro eram jovens estudantes do ensino secundário que realizavam uma visita de estudo à zona do vulcão, revelou o responsável, garantindo que a pele dos corpos estava intacta.

O vulcão do monte Sinabung esteve adormecido durante 400 anos, mas voltou a acordar em 2010 e em setembro de 2013. O vulcão tem estado a registar forte atividade nos últimos meses. Este sábado de manhã entrou em erupção, expelindo cinzas e rochas a uma altura de dois mil metros.

Desde setembro, cerca de 30 mil pessoas foram retiradas da região, mas muitas voltaram a casa depois de um parecer favorável, emitido quinta-feira pelo Centro de Vulcanologia e Geologia. O Sinabung é um de cerca de 130 vulcões ativos no arquipélago da Indonésia. Em 2010 a erupção do vulcão Merapi fez 350 mortos.