Um vídeo divulgado esta quarta-feira pelo jornal «@Verdade» revela imagens do sequestro de um empresário muçulmano na baixa de Maputo. Os três portugueses raptados continuam ainda em parte incerta. O mesmo jornal revela que a portuguesa raptada esta semana terá sido «arrastada pelos cabelos» para fora da empresa onde estava a trabalhar.

«Os raptores entraram nas instalações, intimidaram os colegas da vítima e saíram com a vítima arrastada pelos cabelos até à viatura, que desapareceu. Há indicação que a cidadã é uma imigrante e não tem família em Moçambique», informa o jornal. A portuguesa exercia funções de gestora financeira. Muitos outros cidadãos nacionais estão a deixar o país, assustados com o clima de medo que se vive no país.

«Ninguém sai à noite, ninguém está em segurança neste momento», diz um português que chegou hoje a Lisboa e que pede para não ser identificado.

O cônsul de Portugal em Maputo, Gonçalo Teles Gomes, revelou, no entanto, que há mais dois portugueses raptados em Moçambique há mais de uma semana. O diplomata adiantou que um dos casos diz respeito a um adolescente que também tem nacionalidade moçambicana e o outro é relativo a um adulto do sexo masculino que é cidadão português.

O vídeo divulgado esta quarta-feira mostra o sequestro de um empresário muçulmano e foi registado pelo circuito interno de televisão da empresa. O rapto aconteceu na semana passada e mostra como se movimentam e estão organizados estes grupos de raptores.

O rapto ocorreu numa loja de material eléctrico. O homem parece estar a supervisionar as operações nas traseiras da loja quando entram 8 homens armados. Os homens dominam todos os empregados e apresentam-se de cara destapada. Segundo testemunhas terão disparado um tiro de aviso e levam o empresário, num dos dois carros usados no sequestro.

Este é o único registo vídeo dos mais de 12 raptos que aconteceram nas últimas duas semanas. A polícia moçambicana terá descoberto um esconderijo dos sequestradores no bairro de Bunhiça na capital. No esconderijo, a polícia deteve um suspeito e encontrou 2 armas de fogo.

O governo português confessa preocupação com a comunidade que vive em Moçambique. Paulo Portas expressou essa preocupação sobre a instabilidade e violência ao ministro dos Negócios Estrangeiros moçambicano.

Apesar da cautela, os dias vão andando em Maputo e o comércio continua a faturar. A TVI sabe, no entanto, que pelo menos uma multinacional está a dar ordem aos funcionários para deixarem o país.