Centenas de estudantes e residentes em Chacao (leste de Caracas) ocuparam, na última noite, a Praça de Altamira, epicentro de manifestações contra o Governo da Venezuela, que estava guardada por militares da Guarda Nacional.

«Saímos em protesto pacífico, em apoio aos manifestantes que estão contra a repressão, abusos do Governo, insegurança, liberdade de expressão e a escassez [de produtos]. Somos centenas de pessoas, pacificamente e a Guarda Nacional acaba de retirar-se», explicou um luso-descendente à agência Lusa num contacto telefónico.

A mesma fonte precisou que a população começou o protesto ao final da tarde saindo à rua contra a militarização do município e empunhando cartazes com frases como: «Somos Chacao, não temos medo» e «Povo une-te à luta».

Vários políticos da oposição estão também concentrados na praça em apoio aos manifestantes e está prevista nas próximas horas uma vigília pelos mortos dos protestos na Venezuela.

Em declarações aos jornalistas o comandante-geral da Guarda Nacional Bolivariana, Justo Noguera Pietri, explicou que as pessoas estão num protesto pacífico e que os militares permitiram a «aproximação com o objetivo de conseguir condições de paz e tranquilidade» na zona.

Mais de 1.000 agentes da Guarda Nacional foram segunda-feira enviados pelo Governo para as ruas do município de Chacao e para a Praça de Altamira, dois dias depois de o Presidente Nicolás Maduro ter feito um ultimato aos manifestantes para abandonarem o local, caso contrário iria ordenar a «libertação» da praça.

Há 35 dias que a Venezuela é palco de protestos diários em várias cidades do país, durante os quais, pelo menos, 29 pessoas morreram e várias centenas ficaram feridas.