O Tribunal Penal Internacional de Haia autorizou esta segunda-feira o vice-presidente queniano, William Ruto, a ausentar-se do julgamento, durante uma semana, para que possa regressar ao Quénia para gerir a crise provocada por um sangrento ataque num centro comercial de Nairobi.

«À luz das circunstâncias, esta câmara dispensa o senhor Ruto das audiências diante deste tribunal (...) somente por uma semana», declarou o juiz Chile Eboe-Osuji, numa audiência em Haia, sede do Tribunal Penal Internacional (TPI).

O TPI acedeu assim ao pedido apresentado pela defesa do vice-presidente queniano que, no domingo, pediu o adiamento do julgamento de William Ruto para que este pudesse regressar ao país para se ocupar de um «caso de segurança nacional extremamente grave e em curso».

Presidente do Quénia perde família em ataque terrorista