O jornal britânico «The Guardian» voltou a divulgar esta terça-feira um excerto da entrevista de Edward Snowden . À data da entrevista, 6 de junho, num quarto de hotel de Hong Kong, o ex-espião não podia adivinhar que estaria agora a viver uma aventura no terminal de aeroporto de Moscovo, mas sabia de antemão que, quando a informação fosse divulgada, os Estados Unidos iriam «abrir uma investigação e dizer que cometi crimes graves».

Neste excerto da entrevista , Snowden explica também porque divulgou o esquema de espionagem digital .

Edward Snowden conta que «era muito novo» quando se «alistou no exército pouco depois da invasão do Iraque». Snowden «acreditava na verdade do sistema» até perceber o verdadeiro alcance dos serviços do NSA. Resolveu divulgar os factos quando percebeu que a administração no poder não iria fazer nada para acabar com o alegado abuso sobre a privacidade dos americanos que «são boas pessoas». Tinha que «agir». Apesar das críticas, o antigo funcionário não diz o nome de Barack Obama.

As revelações de Edward Snowden abanaram o mundo. Ficou a saber-se que nem a União Europeia escapou ao «big brother» americano. A viver no aeroporto de Moscovo, depois do presidente russo se negar a entregá-lo às autoridades americanas, Edward Snowden vai fazendo pedidos de asilo, mas há mais danos, como o conflito diplomático que envolve vários países europeus ¿ entre eles Portugal ¿ e o presidente da Bolívia, Evo Morales.