O presidente russo, Vladimir Putin, confirmou esta sexta-feira a anexação da Crimeia à Rússia, depois de a câmara alta do parlamento ter ratificado por unanimidade o acordo, apesar da condenação internacional.

Numa cerimónia no Kremlin, transmitida pela televisão, Putin assinou os documentos legais e recebeu depois uma ovação em pé pelos deputados, que cantaram o hino nacional russo.

«Hoje vivemos um acontecimento sério e importante. Hoje estamos a completar os procedimentos legais com a adição da Crimeia e de Sebastopol à Rússia», afirmou Putin, citado pela Lusa.

«Quero felicitar todos os habitantes deste país, cidadãos russos, e os habitantes da Crimeia e de Sebastopol por este evento marcante - sem qualquer exagero», acrescentou.

O presidente russo assinou na terça-feira o acordo inicial, que foi depois ratificado pelas câmaras baixa e alta do parlamento, uma formalidade realizada em pouco tempo.

O acordo cria duas novas regiões administrativas russas: Crimeia e a cidade portuária de Sebastopol, onde está baseada a frota russa no Mar Negro.

Putin deixou um aviso aos deputados: «Temos muito trabalho pela frente para adaptar a Crimeia ao sistema legal russo, bem como à economia russa e à esfera social», disse, pedindo-lhes que garantam que a transição é feita de forma «indolor e benéfica para os russos e os crimienses».