O Boeing da Malaysia Airlines é apenas o caso mais recente de uma longa lista de aviões que desapareceram dos radares. O que aconteceu ao Boeing 777 da Malaysia Airlines, desaparecido na madrugada de sábado, com 239 pessoas a bordo? Quatro dias de buscas não trouxeram, até esta terça-feira, respostas. «É um mistério da aviação sem precedentes», afirmou o diretor-geral da aviação civil da Malásia.

A área de buscas foi alargada e os meios envolvidos incluem equipas de dez países, 34 aviões e 40 navios que têm trabalhado «cada hora, cada minuto, cada segundo, a olhar para cada centímetro de mar», explicou Azharuddin Rahman, quando tinham passado mais de 48 horas sobre o desaparecimento dos radares do voo MH370, que fazia a ligação Kuala Lumpur-Pequim.

Embora seja extremamente raro que um avião desapareça sem deixar rasto, a história da aviação tem o seu quinhão de desaparecimentos enigmáticos. A revista norte-americana «Time» destaca seis dos mistérios da história da aviação que ainda estão por resolver ou que mantiveram os investigadores à deriva durante anos.

Voo 447 da Air France: um Airbus A330 da Air France, que voava do Rio de Janeiro para Paris, caiu no oceano Atlântico em 2009, causando a morte a 228 passageiros e tripulantes a bordo. Foram precisos cinco dias para que as equipas de busca e salvamento encontrassem os destroços e mais três anos para se descobrir que cristais de gelo fizeram desligar o piloto automático do aparelho. Os corpos de 74 passageiros nunca foram recuperados.

Amelia Earhart: é um dos mistérios mais duradouros da história da aviação civil. A lendária piloto Amelia Earhart desapareceu no bimotor Electra sobre o Oceano Pacífico, em 1937, numa tentativa de circum-navegar o globo. Nenhum vestígio do avião alguma vez foi encontrado, mesmo após um esforço de vários milhões de dólares de pesquisa. Amelia Earhart foi declarada morta oficialmente em 1939.

Flying Tiger Line Voo 739: um avião militar dos EUA, com mais de 90 pessoas a bordo, deixou a ilha de Guam em 1962 com destino às Filipinas, mas nunca lá chegou. Os pilotos não emitiram um pedido de socorro e 1.300 pessoas envolvidas na pesquisa militar nunca encontraram qualquer vestígio de destroços.

British South American Airways: foram necessários mais de 50 anos para encontrar qualquer vestígio das 11 pessoas a bordo de um avião que desapareceu na Cordilheira dos Andes, em 1947. Um par de alpinistas argentinos descobriu destroços do motor nos Andes em 1998 e, mais tarde, uma expedição do exército descobriu também restos humanos. Alguns especialistas dizem que o aparelho causou uma avalanche quando colidiu com o Monte Tupangato e foi enterrado na neve.

Triângulo das Bermudas: uma série de desaparecimentos no também chamado «Triângulo do Diabo», a vasta extensão de oceano entre a Florida (EUA), Porto Rico e Bermudas deu à região uma notoriedade inabalável. Dois aviões britânicos de passageiros da British South American Airways desapareceram na região em 1948 e 1949, e mais de 51 pessoas dos dois voos nunca foram encontradas. Em 1945, cinco bombardeiros norte-americanos desapareceram numa missão de treino que realizavam sobre a área e nunca foram encontrados. O avião encarregado da busca e salvamento, co m uma tripulação de 13 homens, também desapareceu.

Força Aérea Uruguaia Voo 571: um voo com destino a Santiago do Chile, que transportava 45 passageiros e tripulantes, caiu nas montanhas dos Andes, em 1972, devido ao mau tempo e provocou 12 mortos. Durante 72 dias, as autoridades não tiveram conhecimento de que havia sobreviventes. Oito desses sobreviventes acabaram por morrer devido a uma avalanche que atingiu os destroços do avião onde estavam abrigados. Os restantes 16 recorreram ao canibalismo para sobreviver, antes de serem encontrados mais de dois meses depois de terem desaparecido dos radares.