O avião malaio que desapareceu estava «de certeza em pleno mar». A opinião é do coronel António de Almeida Tomé, professor universitário, ouvido esta tarde na TVI24. O especialista defende ainda que caso os destroços encontrados sejam do avião desaparecido «não se entende» por que razão o aparelho estaria ali.

«É um grande desvio, não se entende o que o piloto esperava encontrar naquela zona. Não se percebe como é que o avião está ali, porque não teria capacidade sequer capacidade para chegar à Antartida», defendeu.

«Se os EUA encontraram Bin Laden, não podem encontrar o avião?»

Não há, até ao momento, qualquer sinal dos objetos misteriosos detetados pelas autoridades australianas esta quarta-feira como sendo «os possíveis destroços do avião» das linhas aéreas da Malásia que desapareceu no passado dia 7 de março.

Entretanto, as autoridades malaias anunciaram, através de um comunicado, que as buscas no local foram suspensas, por hoje. De acordo com a Autoridade Marítima australiana, aviões oriundos da Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos deverão retomar as operação na sexta-feira de manhã, escreve a CNN.

Avião pode ter voado cinco horas em piloto automático

No entanto, na zona encontra-se já um navio de carga da Noruega que deverá continuar, mesmo durante a noite, a procurar vestígios no mar. «Todos os homens estão no convés, com luzes e binóculos», afirmou à CNN Erik Gierchsky, porta-voz da Associação de Navios da Noruega.

Avião: telefonema antes de descolagem investigado

Mesmo antes de anunciarem a suspensão das buscas, as autoridades da Malásia, alertaram que os objetos misteriosos captados no passado dia 16, poderiam ser muitas coisas, incluindo contentores perdidos por algum navio. Assumiram, todavia, que até ao momento «esta é a melhor pista» na busca por respostas quanto ao Boeing 777 desaparecido, por ser «credível».

Também hoje, foram divulgadas novas imagens do piloto e copiloto do avião desaparecido da Malásia há quase duas semanas.

Câmaras do circuito interno de videovigilância do aeroporto internacional de Kuala Lumpur registaram o momento em que os dois passaram pelo controlo de segurança e foram revistados antes de embarcarem no voo MH370 da Malaysia Airlines.