Um soldado japonês que ao longo de três décadas esteve escondido na selva nas Filipinas por não acreditar que a Segunda Guerra Mundial tinha terminado, morreu em Tóquio aos 91 anos.

Hiroo Onoda encetou uma campanha de guerrilha na ilha de Lubang, perto de Luzon, até que em 1974 foi convencido que a guerra tinha terminado.

Panfletos espalhados no local onde se encontrava e outro tipo de esforços nunca convenceram Onoda do fim da guerra e só a visita de um seu antigo comandante, que lhe ordenou que baixasse as armas, colocou fim à «sua» guerra.

Hiroo Onoda foi treinado como oficial de informações e instrutor de táticas de guerrilha e quando foi deixado em Lubang tinha orientações para nunca se render, nunca participar em ataques suicidas e resistir até à chegada de reforços.

Mesmo depois do fim da guerra em 1945, Onoda e outros três soldados mantiveram-se firmes nas suas missões.

O caso de Onoda ficou conhecido em 1950, após o regresso ao Japão de um dos soldados que estava na mesma região.