A história da menina convidada a abandonar um restaurante KFC nos Estados Unidos por causa da sua cara , deformada após o ataque de um cão, estar a perturbar outros clientes correu os media e chocou o mundo.





Victoria Wilcher, de três anos, recebeu a solidariedade de muitos através do fundo para a reconstrução do rosto e até um hospital e um cirurgião plástico de Las Vegas, se ofereceram para fazer a operação à menina.

A marca KFC também interveio diretamente, pedindo desculpa pelo seu franchisado e oferecendo à família um cheque de 30 mil dólares, mais de 22 mil euros, para ajudar a Victoria. No entanto, a empresa, como conta o Laurel Leader-Call, não se ficou por aqui e contratou uma empresa de investigação privada para analisar as gravações dos restaurantes. E aí surge a surpresa: a menina e a avó não são vistas em nenhum dos filmes de segurança dos restaurantes. Nem daquele de Jackson, nem de nenhum outro. E cresceram as suspeitas de que tudo não passaria de uma encenação da família para projetar o caso e angariar mais dinheiro.

A KFC tornou o caso público, mas disse que não retirava o apoio à menina e mantinha a doação.

Por seu turno, o silêncio que impera do lado da avó de Victoria, só foi quebrado pelo advogado que se limitou a dizer que a família ainda não sabe se vai aceitar a doação do KFC.