Uma mãe suíça detida em Torrevieja, Espanha, por ter deixado ilegalmente o seu país com o seu bebé de dez meses, degolou a criança na quarta-feira e tentou suicidar-se, informou hoje a guarda civil espanhola.

Katharina Katit-Staheli, de 40 anos, tinha sido detida na quarta-feira em Torrevieja, no cumprimento de um mandado internacional de captura emitido pela justiça suíça.

Foi de seguida transferida para o hospital daquela cidade balnear da costa leste espanhola, com o bebé, devido à doença da criança, sob vigilância da guarda civil.

À noite, a mulher «disse que ia dar-lhe banho ou mudá-lo» e aproveitou o momento para matar a criança, explicou o porta-voz da guarda.

«Ela cortou-lhe a garganta com uma faca de cozinha e de seguida tentou cortar o seu próprio pescoço», acrescentou o porta-voz, segundo o qual a mulher está em estado «grave».

Segundo a mesma fonte, um guarda estava com a mulher e interveio «quando a viu fazer movimentos estranhos».

O polícia «viu então que ela tinha cortado o pescoço do bebé e que tentava cortar o seu. Tudo num instante, num mesmo gesto», explicou.

«Ela conseguiu cortar-se, mas não demasiado profundamente», porque o guarda interveio, garantiu o porta-voz.

A mãe era procurada desde 24 de dezembro, após sair ilegalmente do país com o bebé, que sofria de hidrocefalia, uma doença grave que provoca uma deformação do cérebro e da cabeça.

Numa foto divulgada pelo ministério do Interior, o bebé aparecia sorridente, com a testa claramente deformada.

Os serviços sociais tinham «retirado à mulher a guarda da criança e foi por isso que ela o retirou de forma violenta do centro de acolhimento onde se encontrava», explicou o porta-voz.