O Partido de Miro Cerar (SMC), com apenas seis semanas de existência, venceu as eleições legislativas deste domingo na Eslovénia.

No segundo lugar ficou o Partido Democrático Esloveno (SDS), de direita, com 20.6% dos votos. Outros pequenos partidos de esquerda também conquistaram lugares no parlamento e já disputam um lugar no governo de Miro Cerar. SD e Desus são os mais prováveis para uma eventual coligação.

Miro Cerar, um professor de Direito de 50 anos, filho de um ex-atleta olímpico de grande popularidade e com pouca experiência política, obteve 34.8% dos votos e 36 lugares num parlamento de 90, garantindo maior estabilidade política do que os seus antecessores.

Esta vitória está a ser interpretada com um castigo aos partidos tradicionais, afetados por escândalos de corrupção e responsáveis pela crise neste país da zona euro, que evitou por pouco um resgate internacional aos seus bancos no ano passado.

Nessa altura, o governo esloveno negociou um pacote com a União Europeia que incluía um grande plano de privatizações para baixar o défice. A meta acordada foi uma redução de uma previsão de 4.2 por cento este ano para 3 por cento em 2015.

Miro Cerar já prometeu rever este acordo com a UE, principalmente no que toca às privatizações das telecomunicações e do aeroporto de Liubliana. No entanto, assegurou à Reuters que não está a pensar romper o programa negociado com a Europa.

«O nosso partido terá como objetivo cumprir com as obrigações acordadas com a UE, mas iremos procurar a nossa própria maneira de atingir essas metas, de uma forma melhor para a Eslovénia», afirmou.

A primeira-ministra demissionária Alenka Bratusek tinha suspendido o processo de privatizações até às eleições. «Farei o meu melhor para que o programa de privatizações comece este ano. Será uma das prioridades do meu governo», assegurou Miro Cerar.