Notícia atualizada

Um escândalo de pornografia infantil está a abalar o Governo na Alemanha. O ministro alemão da Agricultura, Hans-Peter Friedrich, demitiu-se esta sexta-feira depois de admitir ter avisado a liderança do partido social-democrata (SPD), em outubro de 2013, de que um destacado deputado do partido estava sob investigação num caso de pornografia infantil, noticia a televisão ARD.

Friedrich, que era ministro do Interior no anterior Governo, demite-se apenas dois meses depois da tomada de posse do novo Executivo da chanceler Angela Merkel, um Governo de coligação entre a União Democrata-Cristão (CDU), a União Social-Cristã (CSU) da Baviera, partido ao qual pertence Friedrich, e o Partido Social Democrata (SPD).

O ministro estava sob forte pressão desde que foi noticiado que terá quebrado o segredo de justiça ao informar o líder do SPD, Sigmar Gabriel, vice-chanceler e ministro da Economia do atual Governo, de que o nome do deputado Sebastian Edathy constava de uma lista de suspeitos numa investigação internacional sobre pornografia infantil.

Os factos remontam a outubro, um mês depois das eleições legislativas alemãs e em pleno processo de contactos para a formação da «grande coligação» entre a CDU e o SPD, principal partido da oposição.

Sebastian Edathy, de 44 anos, é suspeito de ter comprado imagens pornográficas com menores na Internet. A notícia foi avançada na quinta-feira, uma semana depois de ter renunciado ao cargo.

Na terça-feira, a polícia fez buscas nos escritórios e nas duas casas do ex-deputado, revelou o «El País». Mas, de acordo com o diário de Munique «Süddeutsche Zeitung», apenas terá encontrado um computador e discos rígidos vazios.

Sebastian Edathy, que de momento se encontra fora da Alemanha, já negou a acusação. A emissora pública regional NDR cita fontes próximas do suspeito, às quais ele negou ter eliminado quaisquer provas possíveis. Edathy apenas terá eliminado assuntos parlamentares relacionados com o trabalho que exercia.

O semanário «Der Spiegel» refere que as pistas contra Edathy surgiram de uma investigação a um portal canadiano onde se pode comprar pornografia infantil.

Num comunicado emitido na quinta-feira, Thomas Oppermann, líder social-democrata, confessou saber, desde outubro, das suspeitas que pairavam sobre o colega, através de um aviso do então ministro do Interior, Hans-Peter Friedrich (CDU).

Friedrich insistiu esta sexta-feira, através do porta-voz, estar convicto de não ter agido de forma, legal ou politicamente, mas disse que apresentaria a demissão se fosse aberto um inquérito judicial.