O dono de um colégio interno na Índia foi detido na segunda-feira, depois de cinco alunos menores terem denunciado abusos sexuais às autoridades, escreve a Reuters nesta sexta-feira.

As crianças dizem ter sido violadas, obrigadas a assistir a filmes pornográficos e a protagonizar cenas, e forçadas a comer fezes se não cumprissem as ordens do diretor e proprietário da escola em Karjat, no estado de Maharashtra.

Além do homem de 52 anos, também uma mulher, gerente do colégio, de 30 anos, foi detida pela polícia.

«A mãe de um aluno, que foi a casa de férias, apresentou queixa, depois de o filho ter denunciado ser alvo de vários busos», disse um inspetor da polícia de Karjat à Reuters, na quinta-feira.

«Depois desta primeira denúncia, mais quatro crianças, num total de cinco, disseram ter sido abusadas. Detivemos os dois suspeitos por vários ofensas», acrescentou o responsável.

Neste colégio interno encontram-se 28 crianças desfavorecidas, com idades entre os 4 e os 14 anos, durante dez meses do ano. Mas no dia da detenção a maior parte encontrava-se de férias em casa.

As autoridades tentam agora perceber se mais crianças foram abusadas e se há mais suspeitos envolvidos.

«É um caso terrível. As crianças descreveram todos os abusos sexuais e físicos de que foram vítimas. Todos os tipos de atos sexuais foram praticados e fotografados», descreveu uma responsável de uma linha de apoio a crianças.

«Quando não cumpriam as ordens eram forçadas a comer fezes de cão e, se vomitassem, tinham de comer o vomitado», contou ainda a mulher.