O chefe da diplomacia venezuelana reuniu-se nesta terça-feira, em Caracas, com os embaixadores de Portugal, Espanha, França e Itália, entregando um protesto dos dirigentes dos Estados do Mercosul sobre o recente incidente com o avião do Presidente boliviano.

«Daremos por superado este incidente quando o Presidente Evo Morales se sentir satisfeito», declarou o ministro da Relações Exteriores venezuelano, Elías Jaua Milano, aos jornalistas.

Elías Milano sublinhou que a Venezuela aceitou chamar os embaixadores daqueles países para entregar-lhes a nota, que «expressa a indignação da região, especialmente dos membros do Mercosul, pelo atentado, ainsulto e retenção ilegal da qual foi objeto» Evo Morales.

Na reunião estiveram presentes os embaixadores de Portugal, Mário Lino da Silva, de Espanha, António Pérez, de França, Jean Marc La Foret, e o primeiro secretário da delegação diplomática de Itália, Paolo Mari.

Segundo o ministro venezuelano, para quarta-feira está prevista uma outra reunião em Caracas, dos embaixadores e representantes diplomáticos da Venezuela acreditados em Portugal, França, Espanha e Itália, «para indagar e aprofundar sobre as causas que poderiam ocasionar este agravo contra o presidente Evo Morales».

O diplomata acrescentou que o encontro servirá ainda para definir «as medidas que a Venezuela poderá tomar se não forem cumpridas a exigências da Bolívia - uma desculpa pública e um esclarecimento sobre os factos ocorridos» e que os quatro países europeus ofereçam «garantias de que uma situação do género, contrária às normas e princípios básicos do direito internacional, como é a imunidade dos chefes de Estado, não voltarão a acontecer».

Fontes não oficiais avançaram à agência Lusa que o embaixador da Venezuela em Lisboa, Lucas Rincón Romero, chegou ao Aeroporto Internacional Simón Bolívar, em Caracas, durante a tarde de hoje.