A família de Ezequiel Cordoba Barradas, o mexicano de 24 anos que morreu num naufrágio, exigiu que as autoridades mexicanas peçam explicações ao sobrevivente salvadorenho da aventura: o pescador Jose Salvador Alvarenga, que ficou 13 meses à deriva no oceano Pacífico e foi encontrado a semana passada junto às ilhas Marshall, a 12.500 quilómetros do México.

O pescador salvadorenho de 37 anos, conhecido por «La Cancha» (Gordo), fez-se ao mar a partir do México, onde vivia, com comida e bebida apenas para um dia e na companhia de um jovem que acabou por morrer quando estavam perdidos.

Os dois saíram do México em dezembro de 2012 com destino a El Salvador, mas foram surpreendidos por ventos fortes, tendo a embarcação ficado à deriva em alto mar durante 13 meses. Ezequiel faleceu quatro meses depois de ter zarpado por não se conseguir alimentar.

Romeo Cordoba Rios, irmão do jovem, disse à AFP que quer saber quais foram as últimas palavras e a razão pela qual Ezequiel recusou alimentar-se. Romeo explica ainda que o irmão não conhecia José Alvarenga e que se tratou de um acordo «de última hora» entre ambos para irem pescar tubarões.

Alvarenga, por seu lado, afirma que o companheiro morreu «de sede e fome», porque vomitava e, ao contrário dele, era incapaz de comer animais crus. «Aguentou quatro meses. Mas depois fiquei sozinho», relatou o náufrago, que disse ainda ter lançado o cadáver ao mar.

Ilhas Marshall: adiado regresso do náufrago a casa