Mais de 120 pessoas morreram na sequência das chuvas torrenciais no Japão, as mais graves nos últimos 30 anos, segundo um novo balanço provisório do Governo divulgado na segunda-feira.

Na zona mais afetada, a oeste do arquipélago, continuam a ser feitas buscas na tentativa de encontrar as muitas dezenas de pessoas que estão desaparecidas.

Agora, o novo balanço oficial de mortos chegou a 122, na sequência das chuvas, inundações e aluimentos de terra.

A chuvas intensas registadas entre sexta-feira e domingo provocaram grandes inundações, deslizamentos de terra e outros danos, deixando isoladas muitas pessoas, que não puderam ou não quiseram abandonar as suas casas.

Cerca de 73.000 bombeiros, polícias e soldados têm percorrido as zonas mais afetadas.

Na manhã de hoje o porta-voz do governo, Yoshihide Suga, tinha dito que havia pelo menos 80 pessoas desaparecidas, quando o balanço de mortos era de 103.

O número de desaparecidos continua a subir, sobretudo em Hiroshima, uma das zonas mais atingidas”, afirmou.

Mais de quatro milhões de habitantes receberam ordens para abandonarem as suas casas, instruções nem sempre respeitadas por, às vezes, ser já impossível ou demasiado perigoso seguir essas ordens.

A situação levou o primeiro-ministro, Shinzo Abe, a cancelar uma viagem à Europa e Médio Oriente.