O presidente da Indonésia afirmou na terça-feira que está prevista para os próximos dias a execução de 11 homens que se encontram no corredor da morte. A maioria está condenada por tráfico de droga.
 
«Começo por dizer, antes de mais e perentoriamente, que não admito interferências no exercício da lei» indonésia, disse Joko Widodo, citado pela Reuters, num recado aos países estrangeiros que têm tentado evitar a execução dos seus cidadãos.
 
Widodo adiantou que recebeu telefonemas dos líderes da França, do Brasil e da Holanda.
 
As relações entre a Indonésia e o Brasil ficaram tensas há pouco tempo quando um cidadão brasileiro foi executado por tráfico de droga apesar do pedido de clemência da administração de Dilma.
 
Também há pouco, um tribunal indeferiu o apelo de dois australianos – ambos no corredor da morte - para travar a execução. Uma última hipótese depois da rejeição do pedido de clemência presidencial.
 
A Indonésia tem uma das legislações contra o tráfico de droga mais duras. Em 2013 executou seis condenados pelo crime, cinco deles eram estrangeiros, recorda a BBC.