Os familiares de dois australianos, condenados por tráfico de droga, que se encontram no corredor da morte na Indonésia vão visitá-los esta segunda-feira pela primeira vez na ilha prisão onde vão ser executados em breve.

Myuran Sukumaran e Andrew Chan, no corredor da morte desde 2006, condenados como cabecilhas do chamado grupo dos nove, que se dedicava ao tráfico de heroína da ilha de Bali para a Austrália, devem ser executados dentro de pouco tempo pelo pelotão de fuzilamento.

Ambos viram recentemente ser-lhes negados os pedidos de clemência presidencial, os quais figuram normalmente como a última hipótese para evitarem a execução, a qual deve suceder em breve.

Os dois homens, na casa dos 30 anos, foram transferidos na semana passada da prisão em Bali para a ilha de Nusakambangan.

A Austrália montou uma campanha diplomática para tentar travar as execuções.

O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, lançou um novo apelo hoje. “É óbvio que respeitamos a soberania e o sistema [judicial] da Indonésia, (…) mas consideramos justo e apropriado que a Indonésia olhe para os seus interesses a longo prazo e para os seus valores”.

Os familiares dos dois cidadãos australianos chegaram, esta manhã, a Cilacap, a cidade portuária de Java que figura como porta de entrada para Nusakambangan.

Os familiares, escoltados por representantes consulares, devem passar várias horas na ilha antes de regressarem a Cilacap.