Catorze cadáveres foram encontrados a bordo de uma embarcação em que viajavam outros 522 imigrantes e que navegava nas águas do canal da Sicília, segundo as forças armadas irlandesas, que integram o dispositivo comunitário Triton no Mediterrâneo. 

Os corpos foram encontrados na segunda-feira, quando a embarcação foi intercetada pelo navio militar irlandês “LÉ Niamh”, a 80 quilómetros a noroeste de Tripoli, Líbia.
 
Nesta operação de busca e salvamento participou, também, o navio dos Médicos Sem Fronteira “Dignity I”.
 
Os militares do “Lé Niamh” encontraram 14 cadáveres por baixo do deck da embarcação, corpos que foram recolhidos já ao final da noite de segunda-feira.
 
Dos 522 migrantes a bordo, que terão deixado Tripoli durante a madrugada, 210 (137 homens, 38 mulheres e 35 crianças) embarcaram no “LÉ Niamh” e os restantes no “Dignity I”.
 
A guarda costeira italiana aguarda, agora, a chegada do navio irlandês ao porto de Messina, na Sicília, Itália.
 
A bordo do “LÉ Niamh” seguem no total 453 migrantes, resultado de uma primeira operação no domingo em que foram resgatados outros 243 migrantes (183 homens, 33 mulheres e 27 crianças).
 
De acordo com as forças armadas da Irlanda, só o “LÉ Niamh”, que integra desde 10 de julho as operações humanitárias que decorrem nas águas mediterrânicas, já resgatou 1.280 migrantes.
 
Segundo a Organização Internacional para as Migrações, só em 2015 chegaram a território europeu via mar cerca de 150 mil migrantes, a maioria em Itália e Grécia, e mais de 1.900 morreram durante as travessias.
 
O bom tempo que se faz sentir nesta altura, associado a águas mais calmas durante o verão, poderá fazer disparar este número nas próximas semanas.