O primeiro-ministro britânico classificou, esta quinta-feira, a onda de migração que tenta chegar ao Reino Unido como “uma praga de pessoas que atravessam o Mediterrâneo, em busca de uma vida melhor”. As palavras proferidas numa entrevista à cadeia ITV no Vietname, onde está em visita oficial, caíram mal e David Cameron está a ser duramente criticado.
 
Harriet Harman, do Partido Trabalhista, lembrou o primeiro-ministro britânico que ele “está a falar de pessoas e não de insetos” e considerou a utilização de uma linguagem “divisória” uma “viragem preocupante”.

O líder do Ukip, Nigel Farage, disse que não usava a mesma linguagem de Cameron, mas, a verdade, é que também ele falou dos imigrantes nos mesmos termos, relatando uma viagem em que os migrantes tentaram entrar no seu carro quando fazia a travessia de França para Inglaterra, como recorda o The Telegraph. 

Downing Street emitiu um comunicado, fazendo saber que David Cameron usou a palavra "praga" como uma escala, ou seja, referindo-se ao número de pessoas que tenta dar o salto para o Reino Unido, e que são aos milhares
 
Milhares de pessoas têm tentado, durante a última semana, atravessar o Canal da Mancha para entrar no Reino Unido. No último mês, morreram nove pessoas a tentar fazer essa travessia.
 
Na entrevista à televisão vietnamita, David Cameron avisou que estes imigrantes ilegais serão expulsos do Reino Unido e que o país não se pode tornar num “refúgio” para os migrantes que chegam a Calais. O primeiro-ministro acrescentou ainda que o Reino Unido está a investir no desenvolvimento de medidas de segurança. 

"Nós investimos numa cerca de segurança em Calais e agora em Coquelles, onde o Canal da Mancha começa, do lado francês. A França vai enviar 120 agentes a mais."


O investimento britânico será de 10 milhões de euros e vai incluir uma vedação com mais de 1.500 metros de extensão.