A lava do vulcão da Ilha do Fogo, em Cabo Verde tem cerca de um quilómetro de largura e é visível do espaço.
 
O rio de lava está a perder força pelo que deverá arrefecer e solidificar antes de chegar à região da Portela, que também já foi evacuada.
 
Nada aponta para um agravamento nas próximas horas, mas as previsões são muito incertas e espera-se que a acividade vulcânica dure cerca de dois meses pelo que se mantém o plano de emergência.
 
«Neste momento e como devem constatar estamos numa situação de catástrofe. E havendo esta situação temos de continuar com o trabalho da proteção civil», disse o primeiro-ministro cabo-verdiano.
 
Desde o primeiro momento que Chã das Caldeiras foi evacuada e os 1200 habitantes aproveitaram para retirar tudo o que conseguiam de suas casas. Alguns recusaram-se e só o fizeram quando foram obrigados e depois de verem os lares serem consumidos pela lava ardente.
 
Até ao momento não há registo de qualquer vítima, e, por isso, há que cuidar dos desalojados.
 
Cabo Verde fez um apelo à comunidade internacional. Portugal respondeu e enviou a fragata Álvares Cabral, que chega à Ilha do Fogo na terça-feira, com apoio humanitário, logístico e assistência médico-sanitária.
 
A nível local, o presidente da câmara municipal da Praia anunciou um festival. Vários artistas da Ilha do Fogo atuam no próximo sábado, numa angariação de fundos para ajudar os desalojados pela erupção.