O papa Francisco estabelece uma “relação íntima entre os pobres e a fragilidade do planeta", na Encíclica "Laudato si - Sobre o cuidado da casa comum". A encíclica foi revelada esta quarta-feira pelo Vaticano e já está publicada em português pelas Edições Paulinas.

"A relação íntima entre os pobres e a fragilidade do Planeta, a convicção de que tudo está estreitamente interligado no mundo, a crítica do paradigma que deriva da tecnologia, a busca de outras maneiras de entender a economia e o progresso, o valor próprio de cada criatura, o sentido humano da ecologia, a grave responsabilidade da política, a cultura do descartável e a proposta de um novo estilo de vida são os eixos desta encíclica, inspirada na sensibilidade ecológica de Francisco de Assis”, pode ler-se no parágrafo 16.º do documento papal.


Esta é a primeira vez que um papa faz uma encíclica às questões ambientais. Francisco reconhece que estas são "um importantíssimo desafio para a humanidade" e recorda a o "consenso científico muito consistente" sobre as alterações climáticas.


"Nas últimas décadas, este aquecimento foi acompanhado por uma elevação constante do nível do mar, sendo difícil não o relacionar ainda com o aumento de acontecimentos meteorológicos extremos, embora não se possa atribuir uma causa cientificamente determinada a cada fenómeno particular".


São 190 páginas que apresentam uma visão ecológica, antítese de certos padrões de vida, apresentadas a menos de seis meses da cimeira das Nações Unidas sobre o ambiente, que irá decorrer em Paris.
 

 Inspiração em São Francisco de Assis


A carta é inspirada em São Francisco de Assis, a quem Jorge Mario Bergoglio foi buscar o nome do pontificado. O título da encícilica papal “Laudato si” (Louvado sejais) é um verso repetido num poema de louvor a Deus por todas as criaturas, nomeadas uma a uma fraternamente.


“Louvado sejais, meus Senhor, pela nossa irmã, a mãe terra, que nos sustenta e governa, produz frutos diversos, flores e ervas.”

Cântico das criaturas, S. Francisco de Assis


Na encíclica, o papa Francsico diz que “esta irmã protesta pelos males que lhe provocamos, por causa do abuso dos bens que Deus pôs nela.”

Como que a prever as resistências àquela que muitas chamam de “encíclica verde”, o Papa já tinha avisado no início da semana que esta era “dirigida a todos”.